Única escola em funcionamento no Pinheiro sofre com descaso e é invadida pela 2ª vez por criminosos

Uma escola localizada no bairro Pinheiro, única que atende a educação básica em funcionamento na região, vem sofrendo prejuízos após a desocupação da região. A unidade foi invadida pela segunda vez neste domingo (16), e soma um prejuízo de aproximadamente R$ 4 mil reais em materiais roubados. A Braskem é a responsável por garantir a segurança do local.

A unidade se encontra em uma área praticamente deserta, pois os moradores próximos do local foram obrigados a se retirar por volta de junho do ano passado. Na semana passada, ocorreu a primeira invasão à escola, quando foram roubados os refletores que iluminavam a área externa. Dessa vez, os criminosos invadiram a parte interna e levaram fios, computadores, webcams e outros equipamentos de informática.

A diretora da escola, Edymarcia Cordeiro, afirmou que não recebeu nenhum posicionamento da Braskem. “A gente tem o posicionamento da Ronda do Bairro, que é contratada e terceirizada pela empresa para fazer a segurança do bairro. Antes do furto e arrombamento nós já havíamos solicitado essa vigilância maior em relação às ruas próximas, uma vez que nossos vizinhos sofreram arrombamentos. No sábado, eles sinalizaram positivamente que iam fazer essa ronda, porém não foi feita ou não foi feita de forma eficaz”, conta.

Ela informou que o furto e arrombamento aconteceram durante o dia. “A resposta da Ronda foi que, infelizmente, eles não conseguem estar em todos os lugares ao mesmo tempo. Ainda há quantidade insuficiente para extensão dos três bairros que foram evacuados. Apesar da gente ter sinalizado para os dois coordenadores, eles não conseguiram evitar, não viram nada”, explica.

E continua, “a gente não consegue perguntar a nenhum vizinho porque não tem mais vizinho. Então eles não consideram justificar muita coisa. A única coisa que a gente sentiu de diferente é que hoje tem um motoqueiro na esquina da rua da escola. Uma única moto”.

Desde 2019, a instituição vem sofrendo prejuízos financeiros com a saída de alunos, após o início dos problemas relacionados à extração de sal gema na região. Agora, com as invasões, a continuidade das atividades na escola está sendo prejudicada.

Com relação a Braskem, Edmárcia destacou que nenhum responsável chegou a ir até à unidade. Todo contato que possuem está restrito aos dois coordenadores da Ronda do Bairro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *