VÍDEO: PM da reserva que chamou mulher de “macaca desgraçada” será investigado

Um policial militar da reserva será investigado por racismo pela Polícia Civil de Santa Catarina. Em vídeo que viralizou nas redes sociais o homem admite ser racista, chama mulher de “macaca desgraçada” e ameaça agredi-la. De acordo com a Polícia Militar do estado, o homem é um sargento da corporação que está aposentado desde março de 2016. As informações são do jornal O Globo.

No vídeo de 47 segundos, o homem está em pé dentro de uma casa e aparece aos gritos reclamando do que aparenta ser o filho da mulher que filma a agressão. “Ficava na sua frente, brincando, fingindo. Teu filho é um maldito de um negro desgraçado”, diz o homem.

A mulher que o filma pergunta o porquê ele tem ódio do jeito de “moreno”. Então o policial responde sem hesitar, aos gritos: “porque eu tenho ódio, porque eu sou racista, porque eu não suporto negro”.

Para completar a tabela de “racista”, ele afirma que tem um amigo negro, mas que ele é “descente, não essa negrada do c*****, que é marrenta” e diz que detesta a mulher porque é marrenta.

Por sua vez, ela começa a falar que não é para ele batê-la, e o homem tira o chinelo do pé, o segura e se aproxima. “Quer ver? Fala de novo. Fala de novo, sua macaca, demônio, desgraçada”, ameaça o racista.

Veja o vídeo (alerta gatilho):

O delegado da Polícia Civil Éder Matte, afirma que o inquérito contra o policial militar foi instaurado nesta sexta-feira (17/9) e irá apurar o crime de racismo, de acordo com o artigo 20 da Lei nº 7.716/89, que prevê condenação de até três anos de reclusão para pessoas que “praticarem, induzirem ou incitarem a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia ou religião”.

Já a Polícia Militar do estado afirmou que o caso será encaminhado à Corregedoria-Geral da corporação e disse que “repudia todo e qualquer tipo de violência contra a mulher ou vulnerável, bem como qualquer tipo de racismo”.

Por: Correio Braziliense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *